VEJA COMO TRUMP AINDA PODE VENCER

É preciso esclarecer que a projeção de vencedor não define o Presidente dos Estados Unidos

1. Somente o colégio eleitoral ou as diversas legislaturas estaduais podem declarar o candidato vencedor. Basear essa decisão nos totais e nas projeções dos votos da rede e chamar Biden de “presidente eleito” é irresponsável.

 2. As recontagens no Arizona, Geórgia e outros estados provavelmente serão pesadas para Trump. A maioria dos erros prováveis ​​ou votos inválidos ocorreu em cédulas enviadas pelo correio.  (Os votos da máquina são mais difíceis de adulterar). Uma vez que Biden ganhou mais de dois terços dos votos por correio e votos de ausentes, é provável que a maioria das cédulas de correio descartadas sejam subtraídas do total de Biden.

3. As redes atualmente dão a Trump 214 eleitores (270 é o nível de vitória)

4. O Alasca, onde Trump liderou durante toda a semana e agora está mais da metade contado, provavelmente jogará seus 3 votos para Trump, dando-lhe 217.

5. Trump também liderou na Carolina do Norte (15 votos) durante toda a semana e sua margem de 75.000 não diminuiu.  Ele, sem dúvida, leva a Carolina do Norte, o que elevaria a votação de Trump para 232.

6. A contagem de votos no Arizona mostra que o déficit de Trump encolheu de 30.000 na sexta-feira para 18.500 no sábado, com cerca de 100 mil restantes para contar.

Após a contagem total do Arizona (11 votos), provavelmente pode haver uma recontagem sujeita ao viés pró-Trump. Se vencer o Arizona, teria 243 votos. 

7. Na Geórgia (16 votos), Biden lidera por apenas 8.400 votos, uma margem que vem caindo.  Assim como o Arizona, Trump ainda pode ganhar a contagem e, se não, teria uma chance muito boa de prevalecer na recontagem. Com a Geórgia, Trump teria 259 votos

 8. Wisconsin (10 votos) foi contabilizado como tendo sido ganho por Biden por 21.000 votos, mas uma recontagem está iminente. O processo de recontagem em Wisconsin é excepcionalmente justo e transparente – um modelo para a nação – então Trump pode muito bem virar o estado.  Se o fizer, terá 269 votos – um passo da vitória.

9. Então, vem a Pensilvânia e seus 20 votos.  A Suprema Corte permitiu provisoriamente que as cédulas fossem contadas se chegassem antes da sexta-feira, 6 de novembro, e fossem postadas antes do dia da eleição, 3 de novembro, e ordenou que os votos atrasados ​​fossem segregados.  Quando o juiz Samuel Alito foi informado de que o estado não havia segregado os votos tardios, como aconselhou o secretário da comunidade da Pensilvânia, Alito deu uma ordem na sexta-feira.

Biden atualmente lidera por 37.000 votos na Pensilvânia. O número de votações atrasadas provavelmente excede em muito esse total (o estado não publicou esta informação). O juiz Alioto e a maioria do Tribunal podem rejeitar as cédulas atrasadas, podendo entregar o estado a Trump.

RECONTAGEM

Existem duas maneiras de desencadear uma recontagem: Primeiro, a Suprema Corte poderia ordenar uma após a contagem de votos violar de forma flagrante a ordem de Alito de segregar os votos que ele teve de recontá-la.  E lembre-se, quatro juízes queriam reconsiderar se permitiriam votações tardias inteiramente, mas o tribunal empatou de 4 a 4 em outubro.  Agora, com a ministra Amy Coney Barrett na disputa, a visão pode ser diferente, principalmente se a presidência estiver em jogo. Em segundo lugar, o Artigo II Seção 1 da Constituição dos EUA diz:

  “Cada Estado nomeará, da maneira que seu Legislativo determinar, um Número de Eleitores igual ao Número total de Senadores e Representantes a que o Estado pode ter direito no Congresso.”  A Legislatura da Pensilvânia, solidamente nas mãos dos republicanos (ambas as casas), pode optar por exigir uma recontagem antes de nomear eleitores. Para construir o caso, ele pode realizar audiências sobre as alegações de fraude, a fim de ajudar os eleitores do estado a compreenderem como seus votos foram flagrantemente maltratados.

O líder do Senado Estadual na Pensilvânia e o Presidente da Assembleia Estadual já deram uma entrevista coletiva anunciando sua intenção de “auditar” o processo de contagem de votos.

Em meio a tantas incertezas, é preciso aguardar as medidas legais antes de declarar um vencedor.

Conversamos com a Advogada Dra. Ingrid Domingues McConville, que esteve na Georgia participando ativamente na apuração dos votos a convite do GOP – Partido Republicano, com um grupo de advogados que estão acompanhando e fiscalizando todo o processo eleitoral. Dra. Ingrid é brasileira com cidadania americana, residente nos estados Unidos há 55 anos. Ela que é advogada de imigração com 25 anos de carreira, ajuda muitos brasileiro e latinos a imigrarem ao país de forma legal. Segundo a advogada é possivel que aconteça a recontagem em alguns estados e o mais importante para o país é que haja transparência e não fique dúvidas sobre a legitimidade do processo eleitoral americano:

“O mais importante é saber quem foi o Presidente que o povo americano elegeu. Para ambos os partidos é essencial que o processo eleitoral americano seja transparente e legítimo, não deixando nenhuma dúvida. Por isso, se houver a necessidade de recontagem, como já aconteceu no passado, é o caminho a ser seguido”

Pelo visto as eleições americanas ainda não chegaram ao fim como parece e vamos ter que aguardar o processo legal para ter a certeza de um vencedor.

Related Articles

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -

Últimos Artigos